Estamos, há cerca de dois meses, em guerra.

Continuamos a estar, como sempre estivemos, preparados para tudo. Continuamos a contar, como sempre contamos, com o apoio da sociedade e dos organismos que a representam.

Até agora, fizemos sempre o máximo que sabíamos e podíamos para evitar contágios, para evitar a solidão, para evitar a desprotecção.

Mas temos e tivemos sempre a consciência da impossibilidade da eliminação de todos os riscos inerentes às diversas batalhas em que estamos envolvidos.

O vírus é dissimulado, traiçoeiro, imprevisível, muitas vezes agressivo e silencioso.

Nós somos limitados e imperfeitos. A vida é complexa e contraditória.

Orgulhamo-nos de tudo o que fizemos até agora. Inspiramo-nos sempre nas melhores práticas, mobilizamos sempre os melhores recursos.

Queremos vir a ter orgulho em relação a tudo o que tivermos ainda de fazer.

Se continuarmos unidos e solidários, se continuarmos responsáveis e corajosos, se continuarmos criativos e ousados, continuaremos a estar à altura de todos os desafios.

Contamos convosco. Contem connosco.

Em equipa, renovaremos todos os dias a esperança.