Com um número crescente de valências e projectos demarcados, mercê da sua credibilidade e do seu dinamismo, há muito rompeu as fronteiras apertadas que a poderiam tolher e limitar, e assume-se, cada vez mais, como uma instituição de espectro aberto, social e politicamente comprometida, apta para novos desafios, ousada e inovadora.

Uma sociedade inclusiva não pode favorecer a preservação de guetos nem a consolidação de tendências segregacionistas, e as associações que a estruturam e consubstanciam não podem acomodar-se a rotinas, a estereótipos, a ideias pré-concebidas, a inevitabilidades – cabe-nos ser percursores, ser ousados, ser exigentes, mas cabe-nos sê-lo de forma responsável, coerente, consequente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *